Pesquise neste blog

Carregando...

14 de junho de 2009

Seres vivos que "limpam" o meio ambiente

Animais necrófagos (que alimentam de matéria orgânica morta) e decompositores realizam uma limpeza incrível do meio ambiente.

Urubu, camarão, fungos e bactérias, são seres vivos bem diferentes entre si, que na natureza desempenham papéis semelhantes: aproveitam restos de animais e vegetais em sua alimentação, transformando-os em forma de nutrientes.

É através da atuação destes seres que as coisas que "não" teriam mais serventia, ganham nova forma e utilidade, entrando novamento no ciclo da vida.

Junto de tatus e hienas, os urubus e camarões são classificados como necrófagos, por se alimentarem de animais mortos, em estágio pouco avançado de decomposição. Na falta deste item principal em seus cardápios podem se alimentar de frutas e vegetais.


Urubu, prestes a se alimentar.

Quanto aos organismos decompositores, como fungos e bactérias, que em sua grande maioria são invisíveis a olho nu, passam despercebidos em nosso dia-a-dia, exceto quando nos deparamos com pão ou fruta embolorados.

Laranjas mofadas.



Vibrio cholerae, bactéria que causa cólera.


Em nossa casa, quando encontram condições ideais de umidade e temperatura, estragam os alimentos que não guardamos de forma correta. Na natuteza, trabalham selenciosamente para transformar grandes porções de matéria orgânica ou inorgânica em substâncias simples, como água e gás carbônico, além de outros compostos que resultam em odores pouco agradáveis. Podem ser encontrados em restos se folhas, como em cadáveres de animais que se desfazem em poucos dias, processo este chamado de putrefação.



Urubu, ave com menu de matar

No Brasil há seis espécies de urubu. O cabeça-preta é o mais comum e pode voar até 5 mil metros de altitude, mas prefere ficar a 1,5 mil metros do solo, planando em correntes de ar quente para poupar energia.

Sua principal arma para localizar comida é o olfato: ele é capaz de sentir cheiro de carniça ou de lixo a 3 mil metros. Outa forma de buscar alimento é observar o comportamento das aves do bando e segui-las até o almoço.

Para encarar o menu (animais mortos), o sistema digestório da ave produz um podereoso suco gástrico, capaz de neutralizar as toxinas presentes na carne em decomposição, blindando o organismo contra vírus e bactérias.


Fungos que consomem iguarias feitas de restos

Um dos poucos fungos visíveis a olho nu, o cogumelo se prolifera na mata. A reprodução se sá principalmente por meio de esporos presentes no chapéu, parte de cima do cogumelo. Carregados pelos ventos, pela chuva ou por insetos, eles se espelham.


Por não possuírem clorofila, os cogumelos não são capazes de produzir o próprio alimento. Por isso, liberam enzimas para poder aproveitar restos de organismos mortos, que variam de animais a troncos de madeira caídos.

As enzimas tem função digestiva, decompondo três componentes da madeira: a celulose, a hemicelulose e a lignina. Absorvidos por meio dos micélios (filamentos semelhantes ao das raízes das plantas), eles nutrem os fungos.


Fonte: Revista Nova Escola, Editora Abril, maio de 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário